Buscar
  • Renata Bomfim

O Clube de Leitura Reluz aborda a relação homem-animal a partir da obra de Clarice Lispector.


A leitura do conto "O búfalo", de Clarice Lispector, serviram como mote para as discussões do segundo encontro do Clube de Leitura Reluz. Além de todas a riqueza que obra clariceana apresenta, com características próprias e marcantes como os fluxos de consciência e o lirismo na linguagem, ela nos oferece personagens instigantes e desafiadores, como a mulher do Conto "O búfalo" que vive uma experiência singular em uma visita a um Zoológico.


Clarice Lispector (1920-1977) era uma admiradora dos animais, e durante os seus últimos anos de vida contou com a companhia e a amizade de seu cãozinho Ulisses. Clarice era leitora de Camus e de Hemingway e possui uma obra plural que trás à luz dilemas que o ser humano ainda tenta resolver, como a relação consigo e com os outros seres de outras espécies.


O conto escolhido para o segundo encontro do Clube de Leitura Reluz faz parte da obra Laços de família, publicada em 1960. A relação do ser humano com os animais, desde o início da civilização, está pautada na exploração e na violência. Acreditamos que é urgente pensar novas formas de relacionamento com os animais e os seres dos outros reinos da natureza.


Os animais são seres sencientes, dignos de respeito e merecedores de cuidado.

O homem fala de paz, de solidariedade, mas exclui os animais de qualquer direito, caso perceba que esse direito ameaça o seu lazer, o seu paladar e o seu ganho financeiro.

Difícil ler o texto da Clarice e não lembrar das búfalas de Brotas, abandonadas à própria sorte para morrerem de fome e de sede. Não fosse a mobilização de um grupo de voluntários, o tragédia teria sido muto maior. Até quando o ser humano vai tratar os animais como objetos? Há a indicação de que cerca de 56 bilhões de animais terrestres e 800 bilhões de animais aquáticos são mortos todos os anos na indústria alimentícia. Estudos indicam que a exploração humana já ameaça a sobrevivência de várias espécies.


A personagem clariceana aponta um caminho interior que precisa ser percorrido para a grande descoberta de quem se é, para a superação do ódio e o (re)encontro com o amor.


O Clube de Leitura Reluz acontece uma vez por mês, confira a programação. Caso queira participar basta entrar no grupo.



Renata Bomfim.

1 visualização0 comentário