Soltura de Animais Silvestres

20191003_095651.jpg

Atualmente o Estado do Espírito Santo conta com dois centros especializados em recepção e atendimento a animais silvestres terrestres vítimas das atividades humanas, o Centro de Reintrodução de Animais Selvagens, mais conhecido como Projeto CEREIAS, fundado pela Aracruz Celulose em parceria com o IBAMA em 1993 e localizado na Barra do Riacho, Município de Aracruz (ES) e o Centro de Triagem de Animais Silvestres, CETAS, inaugurado pelo IBAMA em novembro de 2010 e situado no cinturão verde do bairro Barcelona, Serra, ES. Esses dois Centros prestam serviços de extrema relevância para a conservação da biodiversidade no estado, devolvendo ao habitat natural animais apreendidos pelos órgãos ambientais fiscalizadores ou doados por particulares, entretanto, eles passam por algumas dificuldades operacionais como a falta de recursos financeiros e, muitas vezes, superlotação de animais.

Outro dado a ser considerado é que existe uma demanda reprimida no estado formado  por animais da fauna que ainda não foram apreendidos pela fiscalização. Esses animais estão em lares sendo mantidos como animais domésticos, ou em criadouros ilegais. Essa realidade descortina um cenário no qual a qualquer momento um grande número de animais possa ser recolhido pela fiscalização, e faltar locais adequados para receber os animais apreendidos.

O Instituto Ambiental Reluz, atento para esse déficit de infraestrutura adequada para receber os animais silvestres apreendidos busca adaptar-se cada dia mais para receber esses animais. A Reserva Ambiental Reluz reintroduz na natureza pássaros silvestres apreendidos pela polícia ambiental vitimas de tráfico, atropelamento, cativeiro irregular, ferimentos por linhas de cerol, entre outros tipos de crimes ambientais, ele também é parte importante do projeto de educação ambiental da Reserva, destinado às crianças, jovens e adultos.

Esse projeto busca, também, sensibilizar o público sobre a questão do tráfico de animais e a importância de nunca comprar ou manter aves silvestres como animais de estimação, bem como priorizará o desenvolvimento de campanhas de conscientização por meio de material impresso, site, folders, cartilhas, livros e ações coletivas. 

A retirada dos animais silvestres da natureza causa grandes danos ao meio ambiente, comprometendo as funções ecológicas exercidas por essas espécies no habitat natural.

Além disso, soma-se ao trauma da captura, o fato de esses animais serem transportados de forma precária, sendo expostos a diversos tipos de maus tratos.

Muita das aves apreendidas não tem condições de serem soltas imediatamente na natureza, demandando um período de readaptação.
















 

20191003_151038.jpg